Essa passou perto. Quando eu dava aula em Niterói e no Rio o Fluminense estava passando pela terceirona, saltou a segundona (ê, beeza), e voltou à primeirona. Então, esse ano eu fiquei nervoso de novo. E acabou que quem caiu foi o Vasco da Gama. Não dá para fingir: poucos fluminenses (do estado do Rio, e não do time) não vascaínos simpatizam com o Vasco. Culpa do Eurico Miranda, aquele sapo. Mas não só dele: torcedor de futebol é antes de tudo um escroto que sabe tirar felicidade do sofrimento alheio, e os vascaínos que eu conheço, inclusive amigos, são mestres nisso. Então não vou negar que por algum tempo torci por esse dia. Mas agora que o time caiu, fica uma sensação ruim: o futebol do Rio não precisa disso, e o Roberto Dinamite também não. Espero que a crise que já chegou a São Januário não force o Dinamite a fazer pactos com o lado nero da força, trazendo o monstro de vota.