Todo mundo com um mínimo de interesse pelo ser humano e pelas ciências humanas deveria conhecer alguma coisa sobre o Warburg Institute, o instituto fundado junto à Universidade de Londres pela generosidade intelectual e financeira da família do grande Aby Warburg. Warburg foi um estudioso do século XIX dedicado à arte renascentista que se transformou em um estudioso das formas de transmissão das idéias clássicas até a época moderna, um curioso por tudo que tivesse relação com a forma de pensar: a astronomia, a alquimia, as artes, os ritos, os mitos, etc, em diferentes civilizações. Ele exerceu uma enorme influência sobre diversos estudiosos, seja através de suas obras ou de sua biblioteca, organizada de maneira a estimular a criatividade (e não segundo critérios biblioteconômicos estritos) – não por acaso, mnemosyne (memória) é o seu mote.

Associados ao Instituto estiveram lendas da história da arte e das humanidades, como Erwin Panofsky e Ernst Gombrich. Até Carlo Ginzburg passou por lá, e seus livros Os Andarilhos do Bem, O Queijo e os Vermes e   História Noturna são fortemente influenciados pelo Warburg.

Agora, um artigo no The Art Newspaper mostra como os burocratas da Universidade de Londres estão desfigurando o instituto e sua biblioteca. Uma linda estória, que se encaminha para um final muito triste.