Ciscando por aí vi no Marginal Revolution uma notinha falando do livro do John Hall, Ernest Gellner: An Intellectual Biography, um daqueles títulos que fazem o coração disparar. De todos os antropólogos que eu li na faculdade Gellner foi o que mais marcou; de todos os filósofos, idem. O tipo de sujeito que ao longo de sua vida sempre esteve do lado em que eu gostaria estar: contra a filosofia da linguagem, metendo o malho no estruturalismo (‘What is structuralisme?’ começa com a frase inesquecível: Um fantasma ronda a Europa: o estruturalismo (estou citando de cabeça)), no relativismo cultural à la Geertz, orientando o Merquior, a favor do liberalismo, contra o liberalismo, etc (bom, isso mostra bem o tipo de nerd que eu infelizmente virei. Quando criança eu queria ser astronauta).

Além do que olha o currículo do cara: Balliol College, Oxford; London School of Economics; Cambridge. Para os estudantes de história querendo ler algo de antropologia tem poucas coisas melhores do que Antropologia e Política. Tem tudo ali: desde arqueologia préhistórica soviética, Gordon Childe, o relativismo explicado e criticado, até porque os americanos se meteram numa roubada quando invadiram o Iraque para fazer ‘nation building’ (hahaha). Fica aí a recomendação: comprem, leiam, e depois mandem pra mim que a grana está curta.