O Idelber Avelar fez uma excelente análise dos resultados da eleição lá no Biscoito Fino e a Massa. Ele também dá bons conselhos sobre como os votos de Marina Silva podem ser conquistados para a Dilma. A mesma coisa lá no NPTO (que inadvertidamente iniciou a onda verde aqui em casa, como relatado em outro post). Ele vai mais além, e dá consellhos para a candidata de número 43.  Enquanto isso ela mesma, a senhora candidata, parece dar tempo ao tempo, ao mesmo tempo em que o PT corre atrás do atraso e dos estragos causados pela ignorância e má fé (porque de má fé se trata, literalmente, e eu esperaria ver estes padres e pastores no inferno se isso existisse), como bem diagnosticou o Idelber.

Bom, eu acho que a Marina não ganhou nada. Não houve vitória verde, e nem vitória do 43. Não foi uma onda verde. Estes termos e expressões são enganosos. A eleição acabou às 17 horas de domingo, e eu pelo menos não votei na Marina só para ver se ela conseguia 20% dos votos. Eu votei para ela mudar o país – e acho que ela concorda comigo. Como sempre, estou pronto para ser corrigido, mas aqui vão meus pitacos.

Os eleitores de Marina foram, em ordem de importância para ela: 1. os que sempre votaram nela ou a apoiaram, verdes ou evangélicos; 2. os eleitores do Partido verde; 3. simpatizantes do partido verde atraídos por suas propostas (me incluo aí); 4. pessoas religiosas que votaram na Marina por causa de suas posições éticas; 5. gente que por um motivo ou outro não queria nem o Serra nem a Dilma; 6. eleitores que ficaram assustados com as mentiras sobre a Dilma ter comido criancinha quando jovem mas (e isso é fundamental) que mesmo assim não votaram no Serra (!!!!); 7. idiotas (porque estes sempre existem).

A corrida do PT e do PSDB deve ser para conquistar os eleitores do tipo 2 em diante. Para conquistar os do tipo 1 ees devem antes conquistar a Marina. Isso é problema deles lá, e eu não vou falar disso.

Eu acho muito provável que a Dilma vença essa eleição, e torço para isso. Como vou argumentar, acho que a Marina deve fazer de tudo para que isso aconteça. Mas deixem-me explicar meu raciocínio. O que eu acho que a Marina precisa fazer é se consolidar como a líder da oposição. Ela não será a líder mais visível, pois assim que a eleição passar a mídia vai tentar jogá-la na obscuridão e endeusar o Aécio. Este vai estar numa posição muito favorável: uma tribuna de luxo no senado, os dois maiores colégios eleitorais esperando por ele para fazer campanha em 2014´(a não ser que o Alckmin ache que desta vez ganhará), e toda a mídia para puxar o saco. O senado é diferente de um governo. Não tem greve de funcionalismo, criminalidade, etc etc. Se o Aécio não sair por aí batendo em mulher e faltando a votação importante para pegar sol em Copacabana, ele tem tudo para chegar preservado, limpinho a 2014. Aliás, fica aí o aviso para meus amigos do PT: se cuidem porque o bicho vai pegar.

O que eu acho que a Marina deve fazer é transformar a votação dela em uma vitória – uma vitória da causa que ela representa. Para isso ela tem que fazer duas coisas, que são interligadas: estar do lado certo e consolidar seus votos que interessam a longo prazo, ou seja, os eleitores do tipo 1 a 4 (ver acima). Até agora ela está fazendo a coisa certa: garantindo 15 dias de atenção da mídia para ela e seu programa. Isso é genial, de um mês de campanha metade do tempo vai ser sobre ela. Isso dá tempo para agregar o PV em torno de uma decisão (o Gabeira já anunciou que vai de Serra, o que é uma pena mas eu entendo e admiro – ele mantem a palavra, e o PT foi muito escroto com ele mesmo), ao mesmo tempo em que mostra para os eleitores que a candidatura dela representa mais do que ela mesma.

Mas vai chegar a hora de ela decidir, e eu espero que ela decida como eu (ok, isso é muita arrogância, mas isso aqui é um blog, o lugar para egotrips mesmo). A Dilma é a única candidata realmente progressista nesse segundo turno. Ela representa um governo bem sucedido em implementar mudanças radicais no Brasi, que iniciou uma grande transformação social que beneficiou milhões de pessoas. Alguns amigos e membros da minha família criticam o Lula por não ter feito a reforma tributária, política, da previdência, do funcionalismo de que o país tanto precisa (e eu concordo com eles), mas quanto a isso eu observo duas coisas: essa é nossa agenda, não a dele ou de seus eleitores; ele fez uma reforma MUITO mais importante, que foi aprofundar a transformação social que está reinventando nosso país.

Eu sei que já citei esse picareta muitas vezes nesse post, mas dona Marina, se a senhora não for convencida pelo Celso, eu não sei o que dizer – além de que terei que rever meu voto na próxima eleição. A Marina não precisa ser convidada para um ministério, pois não é isso o que se espera dela. E também não deve se preocupar se o programa dela for abandonado por pressão de usineiros e sindicalistas daqui a um ano (afinal, para o Lula restrições ambientalistas atrasam o progresso). Se isso acontecer, muitos como eu terão mais motivos para votar nela em 2014. Vai ser uma pena, pois o país deixará de avançar numa área importante, mas eleitoralmente vai ser um presentaço.

Minhas sugestões para a Marina: fique do lado dos progressistas, que é onde você sempre esteve; monte uma ONG, ou qualquer coisa que lhe permita difundir suas propostas e programas, por que eles são importantes e nós brasileiros precisamos deles; saia por aí, vá a universidades, associações de moradores, cooperativas de agricultores, igrejas, associações empresariais etc, montada no belo capital político de ter sido bem votada e ter apoiado o lado certo; exponha suas idéias, explique suas convicções religiosas (essa eleição te trouxe votos das igrejas, mas também viu petistas preocupados com suas opiniões sobre direitos individuais). O Lula fez a caravana da cidadania, siga o exemplo dele. Use sua nova posição na sociedade brasileira para expor suas opiniões, criticar o governo quando necessário, criticar a oposição Aecista quando for o caso. Sabendo fazer nem a Folha vai te negar espaço (dica: comece falando mal do governo Dilma, ataque as posturas medievais da oposição demo-tucana do segundo parágrafo em diante; os editores de jornais brasileiros não lêem além do primeiro parágrafo). E se você não concorrer em 2014 por qualquer motivo o país vai estar ainda mais aberto para um debate sobre o tipo de desenvolvimento e o tipo de futuro que quer. Aí sim você (e nós todos) teremos vencido. Até lá, a luta continua.

Ah sim, se os eleitores da Marina precisam de mais motivos para votar na Dilma, leiam isto. Ter votado junto com fanáticos religiosos já foi doloroso. Ver esta direita comemorando a votação de nossa candidata é demais.