Matéria no UOL reporta que José Serra se pronunciou hoje em favor das uniões civis entre homossexuais:

“Acho que a questão do casamento propriamente dito está ligada às igrejas. A união em torno dos direitos civis já existe, inclusive, na prática, no Judiciário. Eu sou a favor do efeito do direito. Outra coisa é o casamento, que tem o componente religioso. Cabe a igreja decidir sua posição”, afirmou o tucano.

A Dilma resolveu não ficar para trás e disse coisa semelhante hoje (no Terra): “A candidata à presidência da República pelo PT, Dilma Rousseff, afirmou que a união civil entre homossexuais não é questão relativa à religião. “O que é relativo à religião é o casamento entre homossexuais, união civil é uma questão de direitos civis”, explicou.” E depois acrescentou, pra gerar mais confusão: “O compromisso que assumo, posto que o Brasil é um Estado laico, é de jamais enviar legislação ou sancionar lei ao direito das religiões”, garantiu. A candidata enfatizou ainda que “o casamento entre homossexuais ou outra opção sexual é algo que ninguém pode interferir”.

Agora já não sei mais o que dizer à Sra Amiano – se casamento é coisa de igreja, isso quer dizer que não estamos casados. Ela tem o ‘efeito do direito’. Mas casamento não.

Que bosta, esse era um post pra criticar o Serra, a quem eu até havia chamado de ‘picareta invertebrado’. Mas a política brasileira sempre confirma suas piores suspeitas, e agora temos dois candidatos à presidência tutelados por fundamentalistas religiosos.