Hoje fui me meter a besta e discordei do excelso NPTO e seu exercício de futurologia sobre o que seria um governo Serra. Isso foi uma boa idéia, pois tudo o que o grande mestre e presidente da OUBS precisava, a meu ver, era alguém que discordasse dele e fosse capaz de conjugar alguns verbos ao mesmo tempo – eu tinha achado o post dele sobre a futurologia complacente e auto-indulgente, mas a resposta dele foi muito melhor. Tão melhor, e isso é importante para deixar claro quem é quem, que eu nem preciso recomendar ninguém a ir ler o post dele: 99.7% dos leitores que chegarão aqui nos próximos dias virão a partir de lá, então posso me dar ao luxo de presumir que vocês todos leram os argumentos do NPTO.  

Justamente em respeito ao eventual aumento no número de visitas que terei; mas principalmente porque, como o texto desse post deixa claro, ainda estou puto com a traição realizada pelo NPTO comigo – só voltei pro Brasil porque ele me jurou que tinha um Starbucks perto do trabalho dele, achei um apartamento aqui por perto, me mudei, arrumei um emprego, e na hora H o cara se mandou pro Rio e agora vive enfiado em gafieiras na Lapa (nota: o Starbucks é justamente porque o café é ruim o suficiente para que nossas conversas não sejam atrapalhadas pelo que estamos bebendo). Com isso, minhas pretensões de conversas fiadas sobre o Homem Aranha e o futuro da esquerda no Brasil ficaram reduzidas a emails ocasionais e comentários em blogs. Enfim.

Bom, mas o objetivo deste post é continuar o debate entre a futurologia dele e meu pessimismo, porque é disso que se trata. Primeiro, vamos deixar claro sobre aquilo em que eu concordo com ele. Basicamente, concordo completamente com tudo, da metade para baixo. Ou seja, a partir do momento em que ele para de discordar de mim. Cansei de explicar que eu era psdbista e agora votarei na Dilma, quem quiser que leia o que eu escrevi abaixo (e não estou recomendando). Eu acho que um governo Serra será uma furada, e por isso vou votar na Dilma. Ponto. A campanha do Serra está escrota demais, odeio religião misturada em política, as acusações de aborto são espúrias e nojentas, a imprensa inventa um novo Serra a cada dia, etc etc. O bom e velho NPTO diria, ao ler este parágrafo, ‘ser inferior, se é para concordar, então para que escrever algo?Bastava colocar um link pro meu post!’

Por isso mesmo eu vou falar do que interessa, o programa radical de 7 pontos para debate identificados pelo NPTO. Vamos lá.

1. O quão válido é um exercício de futurologia? Notem que essa pergunta é dele, não é minha. Eu acho futurologia muito válida, quando feita sobre coisas que podem ser futurologizadas. A projeção de cenários futuros é indispensável à escolha racional, mas esta projeção precisa de mais racionalidade do que o que está ali. Regina Duarte ofereceu uma projeção alguns anos atrás. Ela fez uma escolha. A do NPTO é mais informada e mais bem humorada, mas é guesswork demais e não resistiria fora de uma campanha eleitoral. Se ele dissesse que um governo Serra seria um retrocesso eu concordaria com ele. Aquele papo de que será o caos e o fim da democracia e da república como a entendemos hoje eu ainda vou precisar de mais argumentos. Resumo: não sou contra futurologia, mas aquela não me convenceu.

2. Ghandi vs Bush. É uma comparação engraçada. Mas: a) Marina tinha propostas para o país, que iam além de dormir pelada com mulheres peladas e tomar tapa na cara sem revidar (sinto muito, minha antipatia pelo Ghandi ainda vai queimar meu filme com muita gente); b) o Bush não era um cara de centro-direita que fez alianças à direita com pessoas corruptas. Ele era um plutocrata  fundamentalista (aquele tipo de coisa em que o Salman Rushdie não acredita), que governou em favor de um complexo militar-industrial e transformou dois países em terra arrasada e jogou as relações internacionais em uma fase escrota de incompreensão mútua. Se o Serra é mau assim eu não sei, mas o mal que ele pode fazer sendo presidente do Brasil é certamente de outra ordem de grandeza. Veja bem: um cara que apela pra religião, que coloca o aborto na política, que acoberta insinuações nojentas sobre a candidata oposta é um escroto por méritos próprios, e isso eu não vou discutir. A campanha Serra efetivamente acabou com quaisquer veleidades Uspianas do PSDB.

3.  Dilma faz alianças à direita, e nós dois defendemos que ela o faça. Serra está se movendo mais para a direita, ela está se movendo mais pro centro. Show de bola. Meu argumento, e eu acho que fui mal entendido, é que não dá para ficar falando das alianças deles e esquecer que as nossas são podres também – a pureza ideológica e programática do PT não é à prova da sujeira parlamentar. Se o NPTO não entendeu quem eu estava criticando, vou usar um exemplo que eu admiro, o Idelber Avelar, que tratou qualquer derrota do PSDB como uma vitória dos progressistas, se esquecendo que a coalização da Dilma promoveu muitas vitórias de reacionários assustadores. Nem sempre o amigo do meu amigo é meu amigo, nem sempre o inimigo do meu amigo é meu inimigo.

4. O NPTO concorda comigo, tá lá. Vai lá ler. E eu enfatizo: se o eleitor da Marina achar que um governo do Serra não teria corrupção então ele merece mesmo ser chamado de hippie evangélico pintadinho de azul avatar. Onde tem ser humano tem corrupção. DEM + PSDB = instituto da reeleição. Mesmo em meus dias mais psdbistas aquilo foi algo que me fez perder sono e ilusões. Dirceu + Roberto Jefferson = muita merda.

5. Populismo vs responsabilidade fiscal. Disse e repito, acho ótimo ver o NPTO defendendo a responsabilidade fiscal. Aliás, ele sempre fez isso e com muito mais propriedade do que eu, que estudo história romana e não entendo porra nenhuma de economia. Ele não discordou de mim aqui, as propostas do Serra são loucas mesmo. Mas daí a dizer que o PSDB vai trazer de volta o descontrole e a inflação continua uma distância, e o único jeito de elle provar isso seria elegendo o Serra para ver no que dá. Alguém vai pagar pra ver?

6. Aqui o NPTO está muito mais no campo da opinião do que ele parece pronto a admitir. Vamos lá: a) sindicato jogar governo Serra em crise? O cara usa a polícia para bater em polícia, invade universidade e espanca estudante, joga gás lacrimogêneo em professor (ok, esta última acusação é retórica, eu não sei se li isso em algum lugar, mas eu queria parecer mais anti-serra do que o NPTO). b) os religiosos: alguém em sã consciência acha que o Serra irá propor alguma coisa que desagrade os religiosos? aborto? gays? Aliás, alguém acha que a Dilma vai fazer alguma coisa que desagrade os religiosos? Caralho, o governo Lula não conseguiu rever a lei de anistia que foi esbofeteado por militares de pijama e jornalistas fascistóides, desde quando mané Dilma vai falar de aborto? A base católica e evangélica dela (Molon e Edir Macedo, uma união única) se une no mesmo dia aos ruralistas e fazem a reforma agrária no paácio do planalto! Aqui é um no-brainer, tudo o que for dito é verdade porque nada vai acontecer.

7. O Índio é pior do que o Temer mesmo. O que os eleitores da Dilma se esquecem é que é disso que nós devemos ter medo. Partindo do princípio generoso de que tanto Serra quanto Dilma viverão por todo o seu governo, quem vai ser mais capaz de impor suas agendas ao governo, o playboy homofóbico ou o advogado que surfou todas as ondas dos últimos 30 anos (até com o Montoro o cara compôs!!!). 

O que eu acho mais preocupante disso tudo é o seguinte: eu passei boa parte do meu tempo online hoje discordando em coisas pequenas de um cara com quem eu sei que eu concordo no que importa. Ele se deu ao trabalho de discordar de mim, sabendo que a gente concorda em quase tudo que é relevante (mas teima em ser flamenguista, ô raça!!!). Isso tudo porque debater com o lado de lá, a campanha do Serra e os trolls que a cercam, simplesmente não vale a pena. Mas que é divertido debater com o NPTO, ah isso é.

ps do dia seguinte: Dilma foi mais longe e mais rápido do que eu esperava, e vai assinar uma carta renegando aborto e casamento para homosexuais. Se isso não é emparedar, não sei o que é.

ps do dia seguinte 2: Serra é um louco tão autoritário que nem a própria imprensa que o sustenta é poupada. Vamos lá, todo mundo comigo: Paulo Preto, Paulo Preto, Paulo Preto…