Cool Britannia foi o slogan usado pela mídia (especialmente americana) nos anos 90 para ressaltar o quão maneiro devia ser inglês naquela época. Tinha David Beckham e Spice Girls, mas também tinha Blur e Oasis, Michael Owen, Tony Blair nos seus bons tempos. Isso acabou. A crise atingiu o UK em cheio, e a eleição dos conservadores com o apoio bizarro dos Lib Dems acaba de produzir a mais violenta revisão orçamentária que eu já vi naquelas plagas (bom, eu era uma criança quando Tatcher chegou ao poder). Espera-se cortes da magnitude de 25%, o que certamente irá afetar a sociedade britânica de uma maneira inimaginável – apesar de os LibDems tentarem se salvar dessa, dizendo que sua marca será sentida nos cortes (very reassuring, mas isso pode ser um tiro pela culatra no futuro). São previstos cortes de 490.000 funcionários públicos nos próximos anos.

Esse é mais um dos muitos trunfos do governo Lula: a crise chegou, seus efeitos ainda são sentidos e serão enquanto o mundo estiver mal das pernas, mas estamos MUITO melhor do que nossos colegas do andar de cima. É difícil usar esse argumento no debate, o do ‘teria sido muito pior se o PSDB fosse governo’, pois o outro lado pode argumentar que existem muitas dificuldades na economia do jeito que é, que precisamos de mais emprego, que os preços ainda são altos, juros, etc. Seria um debate interessante, pois talvez em alguns momentos o Serra se distraísse e começasse a dizer coisas inteligentes, economista que é. Mas lendo o Noblat hoje, acho que isso não vai acontecer: seus planos para a economia são ‘mudança ampla’. Uma pena: ele diagnostica um problema sério, mas é incapaz de formular uma crítica ao governo ou uma alternativa para o que está sendo feito.