Pela enésima vez, o governo do Rio foi pego de surpresa pelas chuvas e, com elas, os desabamentos. Infelizmente o desabamento nunca acontece nas cercanias do Palácio Guanabara. Até a Miriam Leitão já percebeu que existe um padrão nas tragédias que assolam o Rio de Janeiro – e São Paulo – todos os verões. Daqui a algumas semanas será a vez da Dengue, que vai chegar de repente no Rio de Janeiro (po, estes mosquitos de novo? Mas raio nunca cai duas vezes no mesmo lugar!). Enquanto isso Sérgio Cabral já agiu de maneira arrojada e decidida, e tomou as duas únicas ações que cabem a um governante brasileiro: apelar a Deus e pedir a ajuda das forças armadas. Novembro foi marcado pela celebração da retomada do complexo do alemão pelo Estado. Falta agora o resto do Rio de Janeiro.