Pode um livro sobre a alta Idade Média, escrito por um marxista interessado em modos de produção, publicado no início do século XXI, ser interessante? A resposta é óbvia (sim!!), e para explicar o porque eu resenhei o livro de Chris Wickham lá no Antiguidades Romanas.